Cientistas deixam cépticos irritados! "A vida é eterna, reencarnação é um facto e existem outros mundos no universo"!

Desde que o mundo é mundo que discutimos e tentamos descobrir o que existe além da morte.
Desta vez a ciência quântica explica e comprova que existe sim vida (não física) após a morte de qualquer ser humano.
Um livro intitulado “O biocentrismo: Como a vida e a consciência são as chaves para entender a natureza do Universo” “causou choque” na Internet, porque continha uma noção de que a vida não acaba quando o corpo morre e que pode durar para sempre.
O autor desta publicação o cientista Dr.
Robert Lanza, eleito o terceiro mais importante cientista vivo pelo NY Times, não tem dúvidas de que isso é possível.

Além do tempo e do espaço Lanza é um especialista em medicina regenerativa e diretor científico da Advanced Cell Technology Company.
No passado ficou conhecido por sua extensa pesquisa com células-tronco e também por várias experiências bem sucedidas sobre clonagem de espécies animais ameaçadas de extinção.
Mas não há muito tempo, o cientista envolveu-se com física, mecânica quântica e astrofísica.
Esta mistura explosiva deu à luz a nova teoria do biocentrismo que vem pregando desde então.
O biocentrismo ensina que a vida e a consciência são fundamentais para o universo.

É a consciência que cria o universo material e não o contrário.
Lanza aponta para a estrutura do próprio universo e diz que as leis, forças e constantes variações do universo parecem ser afinadas para a vida, ou seja, a inteligência que existia antes importa muito.
Ele também afirma que o espaço e o tempo não são objetos ou coisas mas sim ferramentas de nosso entendimento animal.
Lanza diz que carregamos o espaço e o tempo em torno de nós “como tartarugas”, o que significa que quando a casca sai, espaço e tempo ainda existem.
A teoria sugere que a morte da consciência simplesmente não existe.
Ele só existe como um pensamento porque as pessoas se identificam com o seu corpo.
Eles acreditam que o corpo vai morrer mais cedo ou mais tarde, pensando que a sua consciência vai desaparecer também.
Se o corpo gera a consciência então a consciência morre quando o corpo morre.
Mas se o corpo recebe a consciência da mesma forma que uma caixa de tv por cabo recebe sinais de satélite, então é claro que a consciência não termina com a morte do veículo físico.
Na verdade a consciência existe fora das restrições de tempo e espaço.
Ela é capaz de estar em qualquer lugar: no corpo humano e no exterior de si mesma.
Em outras palavras é não-local, no mesmo sentido que os objetos quânticos são não-local.
Lanza também acredita que múltiplos universos podem existir simultaneamente.
Num universo o corpo pode estar morto e noutro continua a existir, absorvendo consciência que migraram para este universo.
Isto significa que uma pessoa morta enquanto viaja através do mesmo túnel acaba não no inferno ou no céu, mas num mundo semelhante a ele ou ela que foi habitado, mas desta vez vivo.
E assim por diante, infinitamente, quase como um efeito cósmico vida após a morte.
Vários mundos Não são apenas meros mortais que querem viver para sempre mas também alguns cientistas de renome têm a mesma opinião de Lanza.
São os físicos e astrofísicos que tendem a concordar com a existência de mundos paralelos e que sugerem a possibilidade de múltiplos universos.
Multiverso (multi-universo) é o conceito científico da teoria que eles defendem.
Eles acreditam que não existem leis físicas que proibiriam a existência de mundos paralelos.
O primeiro a falar sobre isto foi o escritor de ficção científica HG Wells em 1895 com o livro “The Door in the Wall“.
Após 62 anos essa ideia foi desenvolvida pelo Dr.
Hugh Everett em sua tese de pós-graduação na Universidade de Princeton.
Basicamente postula que, em determinado momento o universo se divide em inúmeros casos semelhantes e no momento seguinte, esses universos “recém-nascidos” dividem-se de forma semelhante.
Então em alguns desses mundos que podemos estar presentes, lendo este artigo num universo e assistir TV noutro.
Na década de 1980 Andrei Linde cientista do Instituto de Física da Lebedev, desenvolveu a teoria de múltiplos universos.
Agora como professor da Universidade de Stanford, Linde explicou: o espaço consiste em muitas esferas de insuflar que dão origem a esferas semelhantes, e aqueles, por sua vez, produzem esferas em números ainda maiores e assim por diante até o infinito.
No universo eles são separados.
Eles não estão cientes da existência do outro mas eles representam partes de um mesmo universo físico.
Fonte: semprequestione.com
Comentários

Ss5 - Desafio Final 3 - Wilson em discussão acesa, com Daniel e Fernando!

Wilson continua a dar que falar! Mais uma vez este é atacado pelos concorrentes da Ss5, o que provoca discussões em direto na gala deste domingo. Ma...


225